O que é E1?

E1 é o termo técnico utilizado para identificar um tronco digital com 30 canais de voz (por padrão). Quando entregue via SIP é o chamado E1 SIP.

Existem algumas operadoras que comercializam os chamados “E1 fracionados”.

O E1 pode receber de 20, 30, 40, 50 ou até mais números diretos; os chamados DDR (Discagem Direta a Ramal).

Um empresa pode ter 1 E1 de 30 canais mas ter 50 números diretos para uso de suas equipes.

Portanto, não confunda E1 com DDR.

Se uma empresa tem 1 E1 com 100 DDRs significa que, ela pode informar 100 possíveis números de contato mas receber/gera simultaneamente só 30 canais por E1.

Como configurar o gateway E1 SIP no AG-521/AG-561 ou AG-562

Características dos gateways E1 SIP Aligera:

  • Modelos de 1 E1 (AG-521 e 561) e 2 E1’s (AG-562 e AG-563)
  • Protocolo SIP RFC 3261 – padrão que trata sobre ligações telefônicas
  • Sinalizações R2 e ISDN de fácil configuração
  • Codecs G.711A/u para toda a linha e G.729, G.726 e G.723 para linha AG-56X
  • DTMF RFC2833, SIP INFO e Inband
  • Fax T.38 e G.711 Pass-Through
  • Tratar VLAN e QoS na linga AG-56X
  • Syslog, NTP. Web e SNMPv2 para a linha AG-521 e AG-56X
  • Atualização remota de firmware
  • Versão mesa (gateway) e opção Rack 19¨ (acessório)
  • Cancelamento de eco de 128ms (G.168)
  • Tecnologia 100% nacional
  • Homologado pela ANATEL

Vou descrever como configurar os gateways E1 SIP da Aligera, mais especificamente neste caso o modelo AG-521 (1 porta E1 e 2 portas LAN). Para os modelos AG-561, 562 e 563 as configurações são basicamente as mesmas sendo necessário somente criar uma conta a mais para o segundo E1 nos casos dos modelos AG-562 e AG-563.

Requisitos

Gateway E1 SIP Aligera AG-521 (ou qualquer um da linha AG-56X disponível em seu laboratório)

3CX PhoneSystem instalado – versão 15 ou 15.5

Cabo de E1 UTP

Balun RJ-45 para BNC

1 cabo BNC de E1

OBS.: Não será demonstrado aqui como fazer o cabo E1 UTP nem mesmo como conectar os cabos BNC ao balun ou teste de looping. Acompanhe posteriormente artigo sobre isso.

Etapas a serem executadas

A configuração destes gateways E1 SIP é a mesma para as versões 15 e 15.5 do 3CX PhoneSystem.

1 – Criar o SIP trunk para o gateway;

2 – Alterar a rede padrão dos gateways para a sua rede;

3 – Configurar as contas do gateway para que se registrem no 3CX PhoneSystem;

1 – Criar o SIP trunk para o gateway E1 SIP

Acesse o console de gerenciamento do 3CX, e no menu a esquerda clique sobre a aba SIP Trunks.

Logo em seguida; a direita da sua tela, será exibido um menu com várias opções. Neste momento vamos utilizar somente a opção “+ Add Gateway“. Clique sobre ela.

Adicionar E1 SIP

Ao clicar no “+ Add Gateway” será aberto uma opção para escolher qual gateway será configurado. Abra o menu Select Brand, e selecione a opção “Generic“. Ao fazer esta opção o campo abaixo Select model/device será colocado como único modelo Generic Gateway Device, no campo Number of Physical PSTN Ports on device, para os modelos de gateway E1 SIP a informação seria 30 (números de canais de voz do “E1 inteiro”), porém deve-se verificar com a operadora qual a quantidade dos canais de voz contratados. Esse item é informado no contrato de prestação de serviços da operadora. No campo Main Trunk N° pode ser colocado o valor do tronco, como por exemplo 10000, 10001; neste caso usarei o 10016.

Todo gateway que não for homologado pela 3CX deve ser cadastrado como “Generic“.

Na configuração de um gateway E1 SIP Aligera os campos devem ficar conforme a imagem abaixo, entendendo-se neste caso que o E1 possui mesmo 30 canais. Após completar as configurações clique em “OK“.

Adicionando o gateway

Configuração inicial do E1 SIP

Agora entramos na configuração final do SIP Trunk. Não serão abordadas questões avançadas de configuração como parâmetros de Inbound, Outbound, Options e Caller ID.

1.1 Trunk Details

1 – Enter name for Trunk: Neste campo deverá ser definido o nome com o qual este gateway será identificado dentre os SIP Trunks no 3CX.

Identificação do E1 SIP

2 – Registrar/Server/Gateway Hostname or IP: É o endereço IP com o qual o gateway será configurado dentro da sua rede. É o endereço para onde o 3CX encaminhará as ligações quando destinadas para a rota do gateway. Lembre-se de que, se caso alterar a porta neste item, a mesma deve ser alterada também no gateway.

3 – Port: É a porta de comunicação com a qual o 3CX e o gateway irão se comunicar.

IP do gateway E1 SIPEndereço IP e porta do gateway

4 – Number of SIM Calls: Número de chamadas simultâneas que o gateway pode suportar ou lhe é permitido por uma questão de reserva de canais da empresa.

5 – Number of Physical PSTN Ports on device: Número de portas físicas que o gateway possui.

número de canais do E1 SIP

1.2 Authentication

6 – Type of Authentication: É indicada a forma como será feita a autenticação da comunicações com este gateway, e podem ser feitas de 4 formas:

  • Do Not Require – IP Based: Não será requerida autenticação, será baseada em IP de origem; ou seja, este tronco sempre estará disponível quando marcada com esta opção. Não é a forma como este gateway está sendo configurado agora.
  • Incoming – Inbound Only: A autenticação só será requerida em ligações de entrada, quando forem executadas no sentido gateway para o 3CX.
  • Outbound – Outbound Only: A autenticação só será requerida em ligações de saída, quando forem executadas no sentido 3CX para o gateway.
  • Register/Account Based: A autenticação se dará em qualquer um dos sentidos e será baseado na conta a qual o gateway será criado.

7 – Authentication ID (aka SIP user ID): É o identificador com o qual será autenticado o gateway. Deve ser anotado o valor deste campo pois será utilizado na autenticação das contas no gateway. Esse valor é atribuído automaticamente pelo 3CX.

8 – Authentication Password: É a senha com a qual a autenticação será completada a autenticação do gateway. Ao final da linha da senha há um símbolo que revelará a senha para que seja anotada para uso posterior.

revela a senha de autenticação do E1 SIP

9 – 3 Way Authentication: É uma terceira forma de autenticação, pouco utilizada em gateways, mais em autenticação de operadoras IP como validar a autenticação por Caller ID junto com Authentication ID e Authentication Password; ou seja, é uma terceira forma de autenticação.

Conta de registro do E1 SIP

1.3 Route calls to

10 – Main Trunk N°: Este campo foi definido lá na criação do tronco nos primeiros passos, ele deve ser IGUAL ao valor contido no campo Authentication ID.

11 – Destination for calls during office hours: Aqui se define o destino das ligações recebidas durante o horário de expediente da empresa e que são compostos de dois campos, sendo que o segundo se altera conforme a primeira opção é marcada. Os quais podem ser:

  • Tipo de destino
  • Extension: Caso as ligações recebidas sejam encaminhadas para uma extensão específica, uma fila de atendimento ou um ring group.
  • Voicemail box for Extension: Caso as ligações recebidas sejam encaminhadas para o voicemail de uma extensão específica. Nesta opção não poderão ser selecionadas opções de voicemail, filas de atendimento ou ring group.
  • Forward to Outside Number: Quando esta opção for selecionada, no campo “12” deverá ser informado o número externo para o qual a ligação deverá ser encaminhada.
  • Send FAX to: Quando as ligações recebidas serão encaminhadas diretamente ao FAX Server do 3CX. O 3CX receberá no fax server e encaminhará como um arquivo PDF ao e-mail selecionado.
  • Campo destino: Esse campo é onde será selecionado os ramais, filas de atendimento, ring groups, números externos e até mesmo os ramais com e-mail que poderão receber o fax.

12 – Destination for calls outside office hours: Aqui se define o destino das ligações recebidas fora do horário de expediente da empresa e que são configuradas da mesma forma que as ligações recebidas durante o horário de expediente da empresa.

13 – Set up Specific Office Hours for this trunk | Play holiday prompt when it’s a global holiday: serão tratadas em um artigo específico sobre horários no 3CX e configuração de feriados.

Após executar essas configurações. Vá ao topo da tela do 3CX e clique em “OK”.

O gateway E1 SIP Aligera

Agora vamos ao gateway AG-521. Para acessá-lo, conecte uma ponta do cabo de rede na porta “Ethernet 1” e conecte a outra ponta na sua máquina ou em algum ponto de rede.

painel frontal do gateway E1 SIP

Conectado na sua máquina – Caso você opte por conectar ele na sua máquina, altere o IP de rede  da sua placa, o mesmo deverá ser alterado para que fique na mesma classe de rede do gateway que é 192.168.1.10; sugiro colocar sua máquina no qual IP 192.168.1.XXX diferente do final 10.

Conectado na sua rede – Caso você opte por colocá-lo direto na sua rede, faça o mesmo procedimento do item acima através da placa ou conexão wireless que você utiliza para acessar a rede. ATENÇÃO, esse procedimento de jogar direto na sua rede não é o mais recomendado porque; caso sua rede seja da mesma classe do gateway, pode haver outro dispositivo com o mesmo IP na rede e acabar causando o travamento da sua, caso comece acontecer travamento da rede ou parar, atente-se a esse caso. Sugiro antes de definir um IP para o equipamento, pergunte para sua equipe de infra o IP que pode ser utilizado ou utilize o software Advanced IP Scanner para scanear sua rede e verificar os devices conectados.

Resolvido isso, vamos acessar o gateway. Abra a tela do seu navegador e digite o endereço 192.168.1.10 e pressione “Enter”. Usuário “admin” e senha “aligera“.

Log do gateway E1 SIP

Configuração do gateway E1 SIP

Após acessar o gateway você será direciona a tela inicial, nela você terá a disposição aos menus conforme abaixo:

menu do gateway E1 SIP

Firmware – nesta tela você encontra informações como serial number, versão do firmware, versão do boot e é onde podemos atualizar o firmware do equipamento.

Configuration – é onde realizamos todas as configurações de rede, configurações da conta SIP, configurações do E1 e configurações avançadas, quando operando os equipamentos da linha AG-56X.

Status – Nessa área você confere itens como MAC Address, IP do equipamento, máscara de rede, gateway de rede, DNS secundário e primário, status da conta SIP (Registrado ou Rejeitado), Alarmes da interface do E1, status dos canais do E1 e contadores de erros do E1.

Log – Registra data e horário dos alarmes.

Security – Local aonde você pode alterar a senha de acesso do equipamento.

A tela principal que nos interessa é a página Configuration. Vamos acessar ela.

Primeiro defina a forma de como o equipamento irá ter seu IP definido. Se optar pela opção DHCP, certifique de fazer uma reserva desse IP para o MAC address do equipamento, pois o 3CX irá encaminhar ligações sempre para o IP do equipamento, portanto o mesmo não pode ficar alterando seu IP, caso contrário perderemos a rota de saída.

Caso opte pela opção de IP Estático, o primeiro item que deve ser alterado é o IP do equipamento. Veja qual endereço de rede está livre no seu range e altere no campo IP AddressMask e Gateway. Vá até o final da página e clique em “Save“. A página não irá deslogar nem carregar automaticamente. Aguarde cerca de 10 segundos e digite na barra de endereços do seu navegador o endereço IP que você acabou de definir para o equipamento.

Configurando os dados do SIP

Faça o login novamente com os dados padrão, caso não tenha alterado a senha.

Após logar novamente, clique na aba “Configuration” e defina o “Primary DNS Server” e o “Secondary DNS Server“. Se você faz monitoramento dos equipamentos utilizando alguma ferramenta como Nagius, Cact ou Zabbix, informe os dados do seu servidor de monitoramento em “SNMP Server“. Caso você utilize algum servidor de tempo na sua rede, ou utilize algum na internet, informe os dados do mesmo no campo “NTP Server“. Mesma situação se você tiver servidores de syslog, informe os dados no campo “Remote Syslog Server“.

OK! Configurados esses dados, eles deverão ficar mais ou menos como a imagem abaixo, uma vez que eu não utilizo servidores de SNMP, NTP nem Syslog. Com isso terminamos a etapa de configuração dos dados de rede. Vá ao fim da página e clique em “Save” só para garantir o serviço.

Configurações do gateway E1 SIP

Agora sim será mostrada um tela indicando que os dados foram salvos. Opa! Porque antes não foi mostrado quando alteramos o IP do equipamento? Porque o seu navegador não estava mais recebendo dados do IP default e sim de um outro IP (novo) que não deveria ser mostrado naquela tela.

Configurações do usuário SIP

Bom, volte na área destinada para SIP. Agora vamos configurar a conta SIP para envio e recebimento das ligações do 3CX. Vamos tratar campo a campo.

Username – será o campo de usuário conforme foi criado no 3CX. Lembre-se que deve ser o mesmo dos campos “Authentication ID” e “Main Trunk N°“, caso contrário não irá registrar.

Password – a mesma senha definida no campo “Authentication Password” na preparação do tronco no 3CX. Caso essa senha esteja errada, 0 3CX irá bloquear o IP do gateway por erro de senha, precisando ser removido da lista de Blacklist e corrigida, caso contrário irá bloquear novamente.

SIP Server IP – é o endereço IP do seu 3CX, do seu servidor de autenticação SIP, para onde as ligações deverão ser encaminhadas quando recebidas da PSTN.

SIP Server Port – indique a porta pela qual o 3CX foi configurado para autenticar o gateway, geralmente por padrão essa porta é 5060, mas melhor é conferir pois ela pode ser alterada.

Register – utiliza-se a opção “yes” quando o servidor requer autenticação para entrega de ligações, e “no” quando o servidor não requer autenticação para entrega das ligações.

Listening port – indica a porta pela qual o gateway irá receber as ligações, essa porta foi definida na criação do tronco no 3CX.

Configurações sobre o número chamador

Caller ID – esse campo indicada qual número você deseja exibir para quem está recebendo a ligação dentro do 3CX. Se desejar que seja transparente para quem recebe, ou seja, o número direto de quem recebeu, configure esse campo como “asreceived“.

From User – se na opção “Register” você optou por “yes” indique aqui o usuário de registro no 3CX, que é o mesmo do campo “username“. Se em “Register” você optou por “no” deixe esse campo em branco.

Insecure – a forma como será feita a autenticação desse usuário no 3CX. Podem ser das seguintes formas:

  • Very – permite que hosts registrados façam chamadas sem re-autenticação.
  • Port –  a porta de origem dos pacotes é ignorada.
  • Invite –  não exige um SIP INVITE inicial para a autenticação.
  • Port, Invite –  não verifica a porta de origem dos pacotes nem exige um SIP INVITE inicial para a autenticação.
  • No – desabilita as opções anteriores e passa a exigir todos os itens de autenticação padrão.

Codec – define qual o Codec será utilizado na entrega das ligações entre o gateway e o SIP server.

DTMF – define como os tons serão interpretados pelo gateway para serem repassados ao PABX. Veja as opções abaixo:

  • rfc2833 – é o formato padrão da telefonia analógica e digital para a geração de DTMF, porém muitos PABX IP não entendem ou não estão configurados para interpretar essa forma.
  • INFO (rfc2976) – a geração de tons do DTMF é informado no cabeçalho SIP.
  • Inband – o tom gerado no DTMF passa por dentro do canal de voz.

NAT – deve estar habilitado (yes) se o equipamento estiver atrás de um roteador com NAT. O padrão é desabilitado (no).

Qualify – se selecionado “yes“, o monitoramento do tronco SIP ligado para que possa ser visto o status de registro na tela “Status” do equipamento.

Configuração do gateway E1 SIP

Agora novamente clique em “Save“.

Configurando a sinalização do link físico

Vamos configurar a área destinada a interface E1 dos equipamentos. As interfaces de E1 trabalham tanto com sinalização R2 ou ISDN.

Signaling – deverá escolher qual das sinalizações a porta E1 deverá utilizar para poder “conversar” com a operadora ou o PABX e que podem ser escolhidas da seguinte forma:

  • MFC/R2 – sinalização R2 e não importa se está conectado com a operadora ou com outro PABX.
  • ISDN Network – caso a sinalização seja ISDN e o E1 esteja sendo entregue pelo modem da operadora.
  • ISDN CPE – caso a sinalização seja ISDN e o E1 esteja conectando em outro PABX.

CRC – a opção “on” quando utilizado sempre conectado com outro PABX, tanto em R2 como ISDN, caso seja conectado com E1 da operadora tanto em R2 como ISDN a opção deverá ser “off“.

Clock source priority – é configurada a prioridade de regeneração de relógio da interface E1, ou seja, se o gateway será o gerador de clock ou não para a interface E1, as opções são:

  • Primary – se a interface E1 está conectada à um PABX e ela será a geradora de clock.
  • Disabled – se a interface E1 está conectada à uma operadora, nesse caso a operadora é sempre a geradora de clock e por isso deve estar desabilitado.

Fractional E1 – Se for o caso de utilizar um E1 fracionado, selecione a opção “yes“, caso Contrário selecione a opção “no“. Se optar pelo uso de fracionado selecionando “yes“, no campo “Number of channels” deverá indicar a quantidade de canais que serão utilizados.

AIS on SIP Unavailable – Se habilitado, o equipamento irá enviar, a cada 2 segundos, um pacote ping para o endereço IP/Host configurado no campo SIP Server IP. Se 5 pings falharem em sequência o equipamento enviará AIS na interface E1.

Configurações da interface física do E1 SIP

MFC/R2

Abaixo as configurações conforme a sinalização R2.

Get ANI first – envia e espera receber os dígitos ANI antes dos dígitos DNIS, configuração para interface com alguns equipamentos. O padrão é desabilitado “no“.

Max ANI – número máximo de dígitos ANI (identificação do chamador) que o equipamento espera receber. O padrão é 4.

Max DNIS – número máximo de dígitos DNIS (número chamado) que o equipamento espera receber. O padrão é 20.

Allow collect calls – recebimento de chamadas a cobrar permitido “yes” ou não permitido “no“.

Double Answer – mecanismo de duplo atendimento habilitado “yes” ou desabilitado “no“.

Configuração do R2 no E1 SIP

ISDN Network/CPE

As configurações do ISDN são mais simplificadas que o R2.

Overlap dial – se desabilitado (no), o equipamento espera receber o número chamado completo ou en bloc. O padrão é habilitado (yes), que permite a recepção dos dígitos na medida que eles são enviados o que torna a discagem mais rápida que o R2, pois o seu processamento é sempre en bloc, por isso recomenda-se após digitar todos os números desejados pressionar a tecla “#” pois a mesma funciona como “send” ou “enviar”, não precisa ficar aguardando um determinado tempo até o time out de discagem.

Switch type – Variante do ISDN a ser utilizada. As opções possíveis são:

  • EuroISDN (padrão)
  • National ISDN 2
  • Nortel DMS100
  • AT&T 4ESS
  • Lucent 5ESS
  • Old National ISDN 1
  • Q.Sig

Configuração do ISDN no E1 SIP

Após concluir as configurações conforme suas necessidades, clique em “Save”. Após receber a mensagem de configurações gravadas com sucesso. Vá para a guia Status.

Status

Nesta guia você poderá ver todos os dados sobre a situação da conta SIP e do link E1.

Na área de Ethernet você verifica os dados da conexão de rede como MAC address, IP, máscara, gateway padrão e DNS’s primário e secundário.

Na área de SIP você verifica se a conta SIP está autenticada ou rejeitada pelo servidor.

Status do E1 SIP

Na área do E1 você tem uma visão geral do estado do link.

Alarms

Alarms – indica qual alarme está acusando o link.

  • OK – está operando normalmente e canais liberados
  • LOS – perda de sinal no cabo Tx do E1
  • RAI – perda de sinal no cabo de Rx do E1
  • AIS – perda de sinal da central da operadora

Existe ainda uma codificação de cores dos canais:

  • Laranja – bloqueados, aparece quando está com erro no alinhamento ou perda de sinal
  • Verde – liberados e prontos para fazer ou receber ligações
  • Azul – canal ocupado no momento

Essa tela é tem um refresh a cada 30 segundos.

Tela dos Alarms

E1 SIP com erro de alinhamento

E1 com alarmes – erros

E1 SIP com alinhamento correto

E1 liberado – sem bloqueios ou erros

 

Além da sinalização dos canais, existem ainda alguns alarmes.

  • Code Violations – número de violações bipolares detectadas
  • Slips – erros de escorregamento de relógio
  • CRC Errors – número de erros de CRC, caso o CRC4 esteja habilitado na interface
  • LoS Events – número de vezes que a interface detectou LOS
  • LoS Time – tempo que a interface passou em LOS
  • BFAE Events – número de vezes que a interface detectou erro no alinhamento de quadro (Basic Frame Aligment and error)
  • BFAE Time – tempo que a interface passou em BFAE
  • MFAE Events – número de vezes que a interface detectou erro no alinhamento de multi quadro (Multi Frame Aligment and error)
  • MFAE Time – tempo que a interface passou em MFAE
  • RAI Events – número de vezes que a interface detectou indicação remota de alarme (Remote Alarm Indication)
  • RAI Time – tempo que a interface passou em RAI

Os erros e as estatísticas são colhidas desde o momento que o equipamento é ligado e são voláteis, se o equipamento for desligado os dados serão perdidos.

Log

Aparece o registro dos alarmes, lembrando que mostra só os dados desde que o equipamento foi ligado, e perdido quando o mesmo for desligado.

System log do E1 SIP

Security

Nessa área você pode alterar a senha de acesso ao gateway. Basta informar “New password” e re-digitar a mesma em “Confirm new password“. logo depois será deslogado do equipamento, acesse com a nova senha.

Altera senha do gateway E1 SIP

Pronto. Seu gateway está configurado corretamente.

Para adquirir os gateways E1 SIP da Aligera acesse o site – www.aligera.com.br

Deixe seu comentários, críticas e sugestões. Espero ter lhe ajudado com esse artigo.

%d blogueiros gostam disto: